Por: Marcela Chiarelo

 

Autenticidade, substantivo feminino, qualidade, condição ou caráter autentico, legitimo. Assim consta no dicionário da língua portuguesa, a definição para palavra. Bem, se tratando de exemplo de autenticidade, e, um bom corte com recortes de autoestima, temos Júlia Bizarro, 18, barbeira e empresária.

Júlia reúne qualidades que a torna tão segura e exemplar, a jovem se descobriu aos 14 anos, desafiando tabus dentro da família e na sociedade, mas, isso não a fez mudar de ideia “no início meus familiares tiveram receio, medo, tive dificuldades para conseguir aceitação deles, a primeira reação das pessoas é o espanto depois vem a curiosidade, atualmente sou bem acolhida e apoiada.”

No início do século passado havia barbearias que não permitiam a entrada de mulheres, o espaço ainda é bem masculino, mas isso não impede que profissionais como Júlia conquistem seu espaço.  A jovem tem formação na área, relata que sofreu preconceito no início dos próprios colegas de curso. “ Já teve casos onde me perguntaram sobre minha opção sexual, por conta da profissão”, afirma Júlia.

Atualmente a barbeira inaugurou seu espaço, e orienta mulheres que gostam e querem ingressar na profissão “não é uma profissão fácil, exige delicadeza e profissionalismo, pois o público é variado, mas, a área da beleza vem crescendo muito, e o diferencial da resultado no mercado”.

Acervo Pessoal

A inovação do mercado vem acompanhando as tecnologias, assim o cliente tem inúmeras opções para sua demanda, em consequência do consumo há o crescimento do setor.

De acordo com Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos  (ABIHPEC), em 2019 o mercado cresceu em comparação a recessão dos últimos cinco anos. O mercado da beleza e estética é um dos mais promissores no Brasil, houve um crescimento de 547%, elevando o número de profissionais na área de 72 mil para mais de 480mil, e o setor movimentou no ano passado R$47,5bilhões.