O governo notificou as quatro grandes operadoras de telefonia no Brasil e deu 15 dias para que Oi, Vivo, Claro e Tim deem explicações sobre o vazamento de dados de 103 milhões de brasileiros

Crimes como invasão de contas e vazamento de dados estão ficando cada vez mais comuns. Especialistas explicam que os dados vazados, como CPF, emails, detalhes da fatura, têm valor econômico e ficam disponíveis para venda na “deep web”, camada da internet onde ocorrem crimes.

É nesse mercado clandestino que os hackers cobram pela divulgação desses dados e outros criminosos podem usá-los para cometer fraudes.

Em nota, a Vivo reitera a transparência na relação com os seus clientes e ressalta que não teve incidente de vazamento de dados. A companhia destaca que possui os mais rígidos controles nos acessos aos dados dos seus consumidores e no combate à práticas que possam ameaçar a sua privacidade.

A Tim, também por meio de nota, disse que não identificou a ocorrência de ataque ou vazamento que colocasse em vulnerabilidade dados de seus clientes ou dados próprios. “Até o momento, não foi recebida nenhuma comunicação solicitando informações, providências e mitigação de eventuais riscos relacionados”. disse a operadora. “A TIM afirma e reitera que preza pela segurança de dados, atuando com as melhores práticas de cibersegurança.”

As demais operadoras notificadas foram procuradas pela reportagem, mas ainda não responderam.

.