Reportagem: Marcela Chiarelo

Será a magia da água da mina? Ou será a pureza do ar?  O que essa terra de cafezais verdejantes e uma brisa suave, constante, oferece de tão especial aos turistas? Tanto que, eles tendem a voltar.

No dia 12 de outubro de 1989 , Orestes Quércia,  o então governador do estado de São Paulo, decreta  a criação do Parque Estadual Furnas do Bom Jesus (Decreto nº 0.591/1989).

Foi então que Sr. José Moreno, reuniu um grupo militantes da causa e criaram o Parque Estadual. No dia 14 de março de 1991, inaugurou-se o Parque Estadual Furnas do Bom Jesus, situado no município de Pedregulho, noroeste do estado de São Paulo.

Pedregulho possui o bem mais precioso da região.  O Parque Estadual é a única Unidade de Conservação de Proteção Integral da Região, possui uma área de 2069,06 hectares de área preservada.   No local podemos contemplar o encontro d’águas que formam o córrego Bom Jesus, afluente do Rio Grande. Além de reservas integrante do Aquífero Guarani.

Gabriel Henrique Sant’Ana Pereira, 33 anos, Gestor do PEFBJ, afirma que o Parque é um laboratório a céu aberto com diversas pesquisas já realizadas e possibilidades infinitas de realização de novas pesquisas.

A biodiversidade da fauna encanta, foram levantadas mais de 330 espécies até o momento. O  lobo guará (símbolo do parque),tamanduá-bandeira, tamundá-mirim, onça parda, jaguatirica, macaco prego, mutum de penacho, jacu, urubu-rei, águia cinzenta, jaó, tietinga, gaturano-rei, tangará-dançarino. No parque estão presentes algumas espécies endêmicas: dos anfíbios temos a perereca-de-folhagem-com-perna-reticulada (Phyllomedusa ayeaye) e a  Scinax canastrensis que ainda não possui nome popular mas de ocorrência restrita ao Parque e à Serra da Canastra. Entre os peixes há uma espécie registrada que ainda não foi identificada cientificamente, é um bagre-fantasma do gênero Trichomycteru, afirma Gabriel.

O parque possui as seguintes atividades para garantir a adrenalina do turista:

A Trilha do chalé  é um percurso autoguiado, são 3,5 km ida/volta. Nível de dificuldade intermediário. Paisagens de cerrado e mata atlântica com o final no atrativo principal, a cachoeira do chalé.

Foto: Cachoeira do Chalé  (Arystene Nicodemo)

A Trilha do Mirante também é uma opção autoguiada, possui cerca de  1,5 km ida/volta ,ível de dificuldade fácil. O visitante é conduzido para o Mirante das Furnas, local de beleza incomparável de onde pode se avistar grande parte do Vale do Bom Jesus. No trecho há também o Centro de Vivência Ambiental.

Trilha dos Macacos: 3 km ida/volta Nível de dificuldade intermediário. Paisagens de Mata Atlântica, o visitante é conduzido pelo monitor para a escadaria que dá acesso a uma queda d’água de aproximadamente 20 metros e à uma mina d’água fresca e cristalina.

Trilha do Malta: 4,5 km ida/volta. Nível de dificuldade intermediário. Paisagens de Cerrado e Mata Atlântica. Após a caminhada mais longa do Parque, o visitante encontra a cachoeira do Malta em sua parte superior, proporcionando uma vista belíssima produzida pela queda d’água e a visão do Vale todo preservado.

O Parque conta com mais um atrativo, a Cascata Grande, que para ser acessado é necessário o acompanhamento de monitor do Parque e deve ser feita com veículo próprio – sendo uma vaga dentro do veículo destinada ao monitor. Esse procedimento é necessário porque esse atrativo fica à 18 km de distância da Sede Administrativa da U.C.

Trilha da Cascata Grande, a maior cachoeira em queda livre do estado, são 2 km ida/volta. Nível de dificuldade intermediário. O visitante primeiramente tem acesso ao Deck para a visualização à distância da imponência da queda d’água de 124,2 metros de queda livre. Após essa contemplação o visitante é conduzido para a parte superior da queda, local onde deve ser redobrada a atenção mas que proporciona uma visão impressionante da paisagem.

Foto: Cascata Grande  (Arystene Nicodemo)

– Importante: as trilhas do Parque estão passando por reformas para a readequação de escadarias e pontes, com a previsão de encerramento das obras na segunda quinzena de novembro. Estamos fomentado a observação de Aves com a instalação de uma plataforma para a observação ao longo da trilha do chalé. Afirma Gabriel, após descrever as atividades do parque.

O funcionamento é de segunda-feira à domingo, inclusive nos feriados, das 8h às 17h. É necessário agendamento, pois a capacidade máxima é de 50 visitantes por trilha.  Além de contar com 2 monitores de segunda a sexta-feira e 1 monitor aos finais de semana.

Mais informações pelo telefone 16) 3171 1118, e pelos endereços eletrônicos,  pe.bkmonitores@gmail.com   / pe.furnas@fflorestal.sp.gov.br

Leandro Valadão, 33, empresário, analisa que o turismo é uma fonte de renda positiva ao município, devido a oportunidade de empregos oferecidos e pelo movimento financeiro gerado na região, estimulado pelo turismo.

A região oferece trilhas no Parque Estadual, a Estância Alto da Boa vista com trilhas, e, a Gruta com pinturas rupestres, localizada na região de Estreito, o Vale do Ribeirão, o morro solteiro espaço com pinturas rupestres, este, localizado em Igaçaba. Mirante do Empório Aroeira, localizado na região do Taquari é referência da rota do ciclista. A Caverna do buraco sem fim, o único acesso ao interior da caverna por rapel, localizada em Alto Porã, e, a fazenda histórica Parati.

Foto: Gruta de Igaçaba, figura rupestres (Leandro Valadão)

Foto: Igaçaba (Leandro Valadão)

Foto: Caverna do buraco sem fim (@turismopedregulho)

A Furna São Pedro tem uma rota do turismo encantadora, lá encontra-se cachoeiras e trilhas.