Matéria/Colaboração: CNN Brasil

As vacinas contra gripe e pneumonia podem ser ainda melhores do que suas propostas originais

Não apenas tomar uma injeção reduz suas chances de sofrer das respectivas doenças, mas ser vacinado também pode reduzir o risco de desenvolver a doença de Alzheimer no futuro, de acordo com dois estudos separados apresentados na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer nesta segunda-feira (27).

“Esta é uma descoberta encorajadora que se baseia em evidências anteriores de que a vacinação contra infecções comuns – como a gripe – está associada a um risco reduzido de Alzheimer e um atraso no aparecimento da doença”, disse o neurologista Dr. Richard Isaacson, fundador da a Clínica de Prevenção de Alzheimer do NewYork-Presbyterian e Weill Cornell Medical Center, que não estava envolvido no estudo.

“A vacinação regular contra a gripe, especialmente a partir de tenra idade, pode ajudar a prevenir infecções virais que podem causar efeitos em cascata no sistema imunológico e nas vias inflamatórias. Essas infecções virais podem desencadear declínio cognitivo relacionado à doença de Alzheimer”, disse Isaacson.

Porém, especialistas afirmam que são necessários mais estudos para estabelecer a relação entre a vacinação e o risco reduzido.

Ainda não existe cura para a doença de Alzheimer, mas a pesquisa mostra que prestar atenção a certos fatores-chave do estilo de vida – incluindo sono, nutrição e exercício adequados – pode influenciar o risco individual de uma pessoa. Ser vacinado pode se enquadrar nessa categoria.

Se vacinar-se por gripe ou pneumonia, por si só, pode reduzir o risco de Alzheimer, essas são mensagens importantes a serem divulgadas ao público, disse à CNN a diretora científica da Associação de Alzheimer, Maria Carrillo.

“Precisamos de mais pesquisas para entender qual é essa conexão”, disse Carrillo, que supervisiona as iniciativas de pesquisa da associação.

“É direta a relação da vacina contra a doença? Ou é protetora, como parte das estratégias de redução de risco que temos, como diminuir o IMC (índice de massa corporal), observar a ingestão de açúcar e manter um olho nos níveis colesterol e pressão arterial”, acrescentou.

“É um desses tipos de dicas de saúde que precisamos garantir que nosso público conheça”.


Vacina contra gripe 

O primeiro estudo, apresentado por Albert Amran, um estudante de medicina do quarto ano da McGovern Medical School, do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas, em Houston, examinou um grande conjunto de dados de registros de saúde americanos de mais de 9.000 pacientes com mais de 60 anos.

Os pesquisadores descobriram que a vacinação contra a gripe estava associada a uma redução de 17% na incidência de Alzheimer. Aqueles que foram vacinados mais de uma vez ao longo dos anos tiveram uma redução adicional de 13% na incidência.

A associação protetora parecia ser mais forte para aqueles que receberam sua primeira vacina em uma idade mais jovem, por exemplo, aos 60 e não aos 70 anos.

“Existe uma preocupação na comunidade médica de que muitas fontes de inflamação, como infecções do trato urinário, pioram o curso dos pacientes com doença de Alzheimer”, disse Amran à CNN. “Por isso, ficamos preocupados que as vacinas, uma forma de inflamação, também possam piorar o curso da DA”.

Ao mesmo tempo, disse Amran, os médicos recomendam vacinas contra a gripe para pessoas com Alzheimer, porque a gripe geralmente é mortal. De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, a gripe mata entre 12.000 e 61.000 pessoas anualmente nos Estados Unidos desde 2010.

Portanto, os resultados do estudo, embora inesperados, foram bem-vindos, disse Amran.

“Ficamos muito surpresos quando nossos colegas estatísticos nos disseram que a vacinação contra a gripe era um dos ‘medicamentos’ que está tão fortemente associado à menor incidência de Alzheimer”, disse ele. 

Mais pesquisas são necessárias para explorar o mecanismo biológico para esses efeitos, disse Amran. Uma das teorias de sua equipe é que o efeito da vacinação pode estar relacionado a manter o sistema imunológico “em forma” à medida que as pessoas envelhecem. Outra teoria é que a prevenção da própria gripe pode ser relevante.


Vacina contra pneumonia 

O segundo estudo examinou as associações entre a vacina pneumocócica, com e sem uma vacina contra a gripe, e o risco de Alzheimer. O estudo analisou mais de 5.000 pessoas com mais de 65 anos que estavam participando do Estudo de Saúde Cardiovascular, um levantamento de longo prazo financiado pelo governo sobre os fatores de risco para doenças cardiovasculares.

Alguns dos participantes tinham um fator de risco genético conhecido para a doença de Alzheimer: o alelo rs2075650 G no gene TOMM40, que também foi associado a um risco maior de depressão ao longo da vida.

Os pesquisadores descobriram que a aplicação de uma vacina pneumocócica entre 65 e 75 anos reduziu o risco de desenvolver a doença de Alzheimer em 25 a 30% após o ajuste para sexo, raça, educação, tabagismo e fatores de risco genéticos.

No entanto, a maior redução no risco de Alzheimer – até 40% – foi observada entre as pessoas vacinadas contra pneumonia que não tinham o gene de risco.